APRESENTAÇÃO

 

Raymond de Souza

 

     Caros Amigos e co-defensores  da Cultura da Vida

 

     É com prazer que partilho com todos a tradução do segundo artigo do Rev. Pe. Thomas Euteneuer, Presidente do Human Life International,  sobre as eleições americanas. O quadro é, sem dúvida, sombrio, do ponto de vista da Cultura da Morte. O maior perigo, entretanto, não se encontra na força e no poder dos corifeus do aborto desbragado e neo-nazista. Encontra-se em que muitos dos que se dizem católicos, leigos ou eclesiásticos, visceralmente corrompidos pela correção política e relativismo moral, euforicamente apóiam políticos abortistas, sem levar em conta as Leis de Deus e da Igreja.

     O Pe. Thomas levanta uma bandeira de resistência e de luta que merece ser admirada e apoiada. Juntemos-nos todos para reavivar a ação dos leigos católicos, atuando juntos na oração, no estudo e no bom combate.

     Como dizia Santa Joana d’Arc, “Les soldats combattrons, mais Dieu donnera la victoire” — os soldados combaterão, mas Deus dará a vitória!

 

 

A CULTURA CATÓLICA NA AMÉRICA E A ELEIÇÃO DE BARACK OBAMA *

 

Pe. Thomas Euteneuer * *

 

 

Pe. Thomas J. Euteneuer, na marcha pró-vida em Washington, entrevistado pelo canal EWTN

     É impossível continuar falando, por mais algum tempo, de uma “cultura católica” nos Estados Unidos. Um segmento inteiro da população que se autodenomina “católico” não se sente vinculado a nenhum padrão de ortodoxia ou de sanidade católica.

     De fato, é impossível falar de uma cultura católica na maioria das paróquias!

     Em uma recente reunião das pastorais numa grande paróquia católica do sul da Flórida, um representante da pastoral do “Respeito à Vida” apresentou seu material pró-vida perto da mesa da pastoral da “Justiça Social” da mesma paróquia. A única coisa  em comum entre as duas pastorais era que compartilhavam o mesmo espaço. Suas visões do mundo não poderiam ser mais separadas, mas ambas se autodenominavam católicas.

     De fato, o pessoal da “justiça social” estava realmente radiante com a eleição de seu novo messias, Barack Obama. Muitos deles estavam falando de seus planos de assistirem à tomada de posse presidencial, mas estavam desconhecendo totalmente que haveria cem mil pessoas em uma marcha no Capitólio dois dias depois, em defesa do direito à vida dos nascituros, os quais ele tinham justamente destinado à irrelevância quando elegeram Obama para o mais alto posto no governo da nação.

     Um deles chegou até a manifestar surpresa diante da previsão da entrada em vigor da “Lei do Direito de Escolha” abortista, quando confrontado com o desagradável fato de que seu ‘messias’ foi um patrocinador desse projeto de lei na última legislatura do Congresso. Como era de esperar, de modo imperturbável recusou-se a permitir que a verdade tivesse qualquer efeito sobre a sua euforia. Sua opinião já estava formada, e ele não permitiria a si mesmo ficar confuso diante da evidência dos fatos.

     Não é preciso dizer, o católico praticante e de boa doutrina, o convicto pró-vida, este não comparecerá à comemoração da posse de Obama.

     Como podem esses dois grupos estar colocados lado a lado no mesmo recinto, e apresentarem suas atividades no mesmo espaço dentro da mesma paróquia católica?

     Simplesmente porque a contradição há anos tem sido tolerada por aqueles que estão no governo de nossa Igreja. Nesta última eleição nenhum dos dois grupos recebeu qualquer orientação a respeito de como votar segundo os princípios católicos, porque, como de costume, houve silêncio nos púlpitos sobre essa matéria.

     A absoluta omissão de nossos líderes eclesiásticos para definir para nós o que a qualidade de membro da Igreja significa — e, portanto, para agir em conseqüência — conduziu à degradação da cultura católica e à perda do significado de coisas que são sagradas.

     Quando Cristo e Belial são considerados parceiros equivalentes no santuário, então nada nele significa mais nada, e nenhum critério significativo distingue o verdadeiro católico de um falso.

     A degradação da cultura católica se deve — em larga medida, mas não exclusivamente — à culpa do clero. Por quatro décadas na Igreja católica norte-americana nós temos visto:

     — Abusos litúrgicos numa corrida desenfreada, favorecidos por aqueles que estão no governo de nossa Igreja;

     — Duas ou três gerações de católicos de esquerda não catequizados ou ensinados de modo precário, educados como protestantes e não como católicos;

     — Abusos sexuais tolerados e não denunciados pela hierarquia católica;

     — Cegueira em relação aos herejes e dissidentes da alta política ;

     — Ataques sistemáticos ao magistério sagrado que virtualmente não receberam resposta de nossos pastores. E se não fosse pelas Respostas Católicas (Catholic Answers), EWTN (maior canal de TV católica nos EUA) e pela Liga Católica (Catholic League), nós não teríamos sequer uma defesa. 

     — A derrota de nossas instituições católicas de ensino superior diante do ataque do “politicamente correto”. E a lista continua...   

     Diante disto, ficaríamos surpresos se 54% dos católicos votassem em Barack?

     Dificilmente!

     A batalha pela cultura católica começa conosco mesmo, e não há ocasião mais propícia do que a atual, para vestir a armadura da guerra espiritual.

     Ou nós acreditamos e praticamos o que a Igreja ensina, ou vivemos como parte da igreja das trevas, falsamente fazendo uso do nome de católico para o seu benefício, sem ao mesmo tempo carregar as cruzes que isto requer. 


Estamos dispostos a sacrificar nossas vidas como testemunhas da verdade

     Há, entretanto, uma grande esperança para o futuro, porque a batalha já começou: novos colégios católicos estão nascendo para substituir as velhas e decrépitas escolas de heresia, novas ordens religiosas com abundantes vocações e boa doutrina têm surgido, escolas nos lares e fortes movimentos leigos agora são abundantes.

     Só quando nós recuperarmos nossa amada Igreja das mãos dos falsos católicos e clérigos, nossa Igreja estará pronta para levantar-se e repreender os ventos tempestuosos do paganismo que estão soprando mais rápido do que nós queremos admitir. Este projeto, entretanto, não se realiza sem um custo.

     O custo de ser um verdadeiro fiel será, sem dúvida, muito mais alto do que foi antes em nossa vida. Começando agora, até a próxima geração, nós como católicos mostraremos ao mundo não apenas no quê acreditamos, mas mostraremos que estamos dispostos a sacrificar nossas vidas como testemunhas da verdade.  

 

 _________

 

      * O primeiro artigo do Rev. Pe. Thomas Euteneuer, Presidente do Human Life International, publicamos em:

      

 

     * * Pe. Thomas tornou-se presidente da Human Life International em dezembro de 2000. É a organização pró-vida de maior alcance internacional, com escritórios afiliados e associados em 80 países do mundo.

 

     Tradução: André F. Falleiro Garcia

 

     _________