CONVERSAS SECRETAS - LINHA DIRETA

 

     Sobretudo a partir das denúncias de corrupção feitas em 2005 pelo então deputado Roberto Jefferson, da base aliada do governo, houve uma avalanche de acontecimentos que colocaram os dois mandatos de governo do presidente Lula à beira do impeachment. O que teria salvo Lula e o PT da situação crítica e caótica em que estiveram mergulhados?

     O artigo publicado a seguir, estampado num dos jornais de maior tiragem do país, tem valor histórico. Revela como, por detrás dos bastidores, o principal líder da oposição ao petismo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), tem sido na realidade o verdadeiro sustentáculo de Lula.

     Isso também reflete a inautenticidade da vida política brasileira, na qual não existe um partido político de direita para representar o segmento conservador, ao qual pertence, aliás, a maioria da opinião pública. A oposição é formada por políticos e partidos de viés centrista ou esquerdista moderado. Nessa conjuntura, a marcha para o socialismo é uma constante. A dramática situação vivida por Lula e pelo PT, retratada nessas conversações secretas que vieram a lume, exprime não só a debilidade das esquerdas, mas também a da imensa massa conservadora imersa na atonia.

_________

 

LINHA DIRETA ENTRE LULA E FHC EVITOU PEDIDO DE IMPEACHMENT *

Carlos Marchi

Conversas secretas, intermediadas por Palocci e Bastos,

ajudaram a esfriar caso do mensalão * *

 

Fernando Henrique Cardoso

     Durante todo o primeiro mandato e parte do segundo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve uma linha direta de consultas com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mantida por meio de conversas secretas dos então ministros Antonio Palocci, da Fazenda, e Márcio Thomaz Bastos, da Justiça.

     A linha direta funcionou com mais vigor no auge do escândalo do mensalão, quando os ministros pediram a Fernando Henrique para agir e evitar que a oposição descambasse para pedir o impeachment de Lula. Ele atendeu e se posicionou publicamente contra o impeachment.   

     Os encontros foram confirmados ao Estado pelo ex-presidente, Palocci e Bastos. Palocci confirmou que esteve pessoalmente com Fernando Henrique “pelo menos cinco vezes”; Bastos disse ter conversado com ele pessoalmente apenas uma vez, em junho de 2005, momento em que crescia a onda do impeachment. Mas os contatos por telefone foram bem mais freqüentes, confirmam os três. Palocci e Bastos asseguram que Lula sempre soube das conversas antes de elas ocorrerem e foi informado do seu resultado depois.

     Mais de uma vez, no entanto, em momentos de difícil enfrentamento com a oposição, Lula sugeriu a Palocci: “Vai conversar com Fernando Henrique.” E pelo menos uma vez, em dezembro de 2007, o presidente determinou expressamente que Palocci - então já fora do governo - procurasse o tucano para negociar o projeto de reforma política que pretendia enviar ao Congresso no começo de 2008. Palocci marcou a conversa, mas antes que ela acontecesse Lula desistiu de promover a reforma política.

     Ao Estado, Fernando Henrique elogiou Palocci e Bastos, confirmou as conversas e disse que elas foram possíveis porque os dois ex-ministros de Lula têm “noção institucional”. Estendeu o elogio ao chefe de gabinete Gilberto Carvalho: “Esse também tem noção institucional.” Lamentou que a linha de consulta tenha sido interrompida em 2008. No começo, não foi difícil a Palocci procurar o ex-presidente: além de manter excelentes relações com a oposição desde quando era ministro, ele tem a simpatia de Fernando Henrique desde que, prefeito de Ribeirão Preto, inaugurou uma estátua dele na cidade. “Não foi fácil para ele”, reconhece o ex-presidente. Do gesto, brotou afeto.


Afinidade ideológica une FHC e Lula desde os anos 70

     A conversa com Bastos ocorreu no dia 26 de junho de 2005, no apartamento do ex-presidente, em Higienópolis, e durou das 21 horas à 1 hora da madrugada. Não faltava intimidade pregressa aos dois: antes de serem amigos, eles conviveram em função da amizade dos seus pais. Bastos contou a Fernando Henrique os receios que Lula alimentava e perguntou sobre o espírito então reinante na oposição. A expressão exata que usou foi: “Precisamos baixar essa bola.”

     Argumentou que ninguém podia apostar no pior, porque o País ficaria ingovernável. O ex-presidente concordou, deu um conselho e fez uma promessa. O conselho foi que Lula cuidasse de segurar os números da economia e impedisse que se evidenciassem sinais externos de desgoverno; a promessa foi que não jogaria lenha na fogueira e tentaria acalmar seus pares. Nas semanas seguintes, a sua influência foi sentida e acabou sendo vital para que a oposição refreasse o ímpeto e não chegasse ao limite do pedido de impeachment.

        Três anos depois, olhando para trás e avaliando a situação, o ex-presidente minimizou o fato de ter atendido aos apelos. “Eu não fiquei contra o impeachment porque eles me pediram, mas porque sou muito cauteloso nessas questões. Na época, não havia condições políticas para sustentar um pedido de impeachment de Lula. Criaria uma cisão no Brasil”, alinhou. Explicou por que aceitou as conversas secretas: “Adversários políticos não devem ser tratados como inimigos.” 

     MERGULHO NO ESCURO 


O escândalo do "mensalão" trouxe à tona uma vasta rede de corrupção no Legislativo e Executivo

     Tudo azedou repentinamente quando, em 8 de julho de 2005, em meio a um evento no Palácio do Planalto, Bastos foi informado de que um assessor do deputado José Nobre Guimarães (irmão do então presidente do PT, José Genoino) fora preso em São Paulo com dólares na cueca. Transmitiu o informe a Lula na mesma hora. Depois, relataria a um amigo que, em quatro anos de convivência, nunca vira Lula tão desolado. “Meu Deus, onde é que isso vai parar?”, balbuciou o presidente, como se tivesse perdido o rumo.

     Mas o pior ainda estava por vir. Em 11 de agosto, o publicitário Duda Mendonça confessou, na CPI dos Correios, que recebera no exterior parte do pagamento pela campanha de Lula. Naquela noite, Bastos e Palocci foram conversar com o presidente na Granja do Torto. Sem rodeios, opinaram que a confissão de Duda o atingia pessoalmente e que a situação, a partir disso, fugia ao controle do governo. As análises impactaram Lula, que aceitou a sugestão de procurar Fernando Henrique mais uma vez para negociar.

     O enviado desta vez foi Palocci, que fez ao ex-presidente um relato assustador. Contou que o governo se sentia desorientado e que os conselheiros próximos a Lula temiam por ele após as últimas revelações, que iam do grotesco (os dólares na cueca de um assessor petista) ao dramático (a comprovação de que Duda recebera dinheiro ilegal pela campanha, o que jogava o escândalo no colo de Lula). Disse que havia novos escândalos não revelados, como um rombo que passaria dos R$ 500 milhões no Banco do Brasil.

     Palocci chegou a admitir que tudo aquilo era “um desastre, um desastre”. Noutro momento, teria dito: “Está tudo perdido.” Ao final, fez um apelo “em nome da democracia e do futuro do País” - que a oposição desse uma trégua para dar tempo ao governo de “consertar tudo”, exorcizando o seu visível lado podre. Ao final, indagou se Fernando Henrique aceitaria um encontro com Lula. O ex-presidente topou; exigiu apenas que houvesse um convite e um encontro públicos. 

 

_________

 

* http://txt4.estado.com.br/editorias/2008/08/31/pol-1.93.11.20080831.18.1.xml

* * Publicado em O Estado de São Paulo, 31/08/2008. 

 

_________