O CRASH FINANCEIRO NORTE-AMERICANO: O SISTEMA CAPITALISTA É O VERDADEIRO CULPADO?

 

     Apresentamos a seguir três artigos que comentam o crash financeiro norte-americano. São análises que identificam as causas dessa crise. O primeiro artigo resume os demais.

     Publicamos também, no Site da Sacralidade, outros artigos que apontam o avanço do socialismo nos EUA:

     

          

_________

 

As Viúvas de Stalin e a Crise Americana *


Cezar Cauduro Roedel



     Longe de ser uma "falha de mercado", o que estamos vivenciando é o resultado de uma política muito antiga de intervenção na economia. Enquanto alguns saem dizendo que o capitalismo falhou, não percebem que a falha veio do governo, de uma política redistributivista e socialista.

A crise detonou o Lehman Brothers

      Não demorou para que as "Viúvas de Stalin" fossem propalando suas análises embusteiras sobre a "crise" do subprime americano. Com muita felicidade estampada no rosto davam gargalhadas e seus veredictos intelectualescos, comentando a derrocada do capitalismo, o fim do livre mercado, o modelo americano ruindo em suas próprias contradições...

      Portanto é necessário fazer alguns esclarecimentos sobre esta crise do mercado imobiliário, que de longe não é nada recente. A pergunta que devemos responder é a seguinte: Esta crise foi realmente gerada por uma "falha de mercado"? Segue o argumento:

      1- A origem da crise está ligada com a criação das gigantes hipotecárias, Fannie Mae e Freddie Mac, que recentemente receberam grandes verbas do governo americano. A Fannie Mae foi criada em 1938 pelo governo de Franklin Delano Roosevelt, dentro dos objetivos da política do New Deal.

     2- O New Deal previa o acesso de todos os cidadão americanos à casa própria. Mesmo àqueles sem capacidade creditícia, um plano de reestruturação com forte intervenção na economia. Assim, a gigante hipotecária forneceria liquidez ao mercado de hipotecas de alto risco, com a verba do contribuinte americano.

     3- As gigantes hipotecárias são instituições paraestatais, não são eminentemente privadas, por isso não estão "à prova do mercado", no sentido puro da expressão.

     4- O Governo americano sempre injetou muito dinheiro nestas instituições, que compram as hipotecas de alto risco do bancos americanos, dando assim, acesso aos cidadãos a sua casa própria.

     5- Em uma situação de economia de mercado, os Bancos não cederiam empréstimos para pessoas com histórico creditício duvidoso. A economia de mercado prevê que só pode emprestar dinheiro para pessoa que pode honrar a dívida. Então porque os banqueiros cediam estes empréstimos? Veja abaixo:

     6- Em 1977, então governo Carter, foi criado o decreto federal (Community Reivestment Act - Decreto de Reinvestimento Comunitário) que "obrigava" os bancos a fazerem os empréstimos aos cidadãos sem capacidade de honrar suas dividas com o aval das gigantes hipotecárias, a juros mais baixos, justamente para que todos tivessem acesso à casa própria. Os bancos que não se adaptassem as essas regras não poderiam fazer fusões, aquisições e novas linhas de negócio, até que provassem ao governo um certo número de empréstimos a estes "maus pagadores".

     Longe de ser uma "falha de mercado", o que estamos vivenciando é o resultado de uma política muito antiga de intervenção na economia. Enquanto alguns saem dizendo que o capitalismo falhou, não percebem que a falha veio do governo, de uma política redistributivista e socialista.

 

     * Publicado em 08/10/2008.

     Fonte: http://www.if.org.br/analise.php

_____

 

Nota da Redação

Site Mídia Sem Máscara

 

     Em artigos de Thomas Sowell e João Luiz Mauad publicados recentemente pelo MSM, surge a grande pista que aponta, se não a culpa, a responsabilidade política pela origem da bolha imobiliária americana: as profundas alterações que a Community Reinvestment Act [Lei de Reinvestimento na Comunidade] sofreu logo no início (1993) do primeiro mandato de William Jefferson Clinton, o popular Bill Clinton.


A origem da crise: Clinton e os democratas

      Num longo, mas muito esclarecedor artigo publicado pela revista inglesa The Spectator em 01/10/08, o jornalista inglês Dennis Sewell diz com todas as letras: a culpa é dos democratas de Clinton. Ele demonstra os esforços de um grande e fanático grupo de ativistas-engenheiros sociais, liderados por Roberta Achtenberg, uma advogada e ativista dos direitos dos homossexuais em São Francisco, que mudaram radicalmente os outrora rígidos critérios de concessão de empréstimos imobiliários. Clinton a nomeou Secretária Assistente para a Moradia Justa (sic) e Oportunidades Iguais do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano [Department of Housing and Urban Development – HUD].

         A política de Clinton era de ampliar enormemente o acesso das chamadas minorias ao crédito imobiliário. Roberta Achtenberg logo tratou de estabelecer escritórios ao redor dos Estados Unidos, cuja função seria a de fiscalizar a aplicação da “nova” lei, mas que, na prática, trataram de táticas de coação e chantagem. Tais escritórios tinham seu staff composto por advogados ativistas e investigadores. Primeiramente, os bancos imobiliários, e depois também os bancos comerciais, se viram em face de numerosos e rumorosos processos judiciais (aqui entra em cena a pressurosa colaboração de Janet Reno, a ministra da Justiça de Clinton) que os acusavam de práticas discriminatórias de todo tipo. Além das custas processuais crescentes, da publicidade negativa, os bancos recebiam insistentes convites da Casa Branca clintoniana para que “cooperassem”.

     Além disso, a própria lei (CRA- Community Reinvestment Act) estabelecia um critério de notas para os bancos que concedessem empréstimos imobiliários conforme as diretrizes governamentais. Dependendo da nota que um banco obtivesse, teria ou não permissão para fusões, aquisições ou a simples abertura de uma nova agência. Os tais critérios inicialmente exigiam que o tomador do empréstimo depositasse apenas três por cento (3%) do valor do mesmo. Depois, esse valor foi rebaixado para zero (0%) de entrada. Num ambiente econômico de expansão de crédito, os bancos cederam e a bolha imobiliária veio a estourar quinze anos depois de ter sido planejada como ação de “justiça social”.


Bush agiu, mas os republicanos foram omissos

     Dennis Sewell faz questão de isentar George W. Bush quanto à responsabilidade pelo atual estado de coisas, pois Bush teria tentado reverter ou modificar mais de uma vez os critérios da CRA. Uma vez que Sewell não é americano, nem republicano e muito menos uma Ann Coulter, a sua defesa de Bush ganha mais força.

     Todavia, há alguns detalhes que ele não menciona no artigo e que levam a algumas indagações: durante seis dos oitos anos dos dois mandatos de Bill Clinton, a maioria no Congresso americano (Câmara e Senado) era republicana. Onde estava essa maioria republicana que não viu ou não percebeu o que estava acontecendo? Se Clinton, que teve maioria durante apenas dois anos (1993-94) conseguiu introduzir modificações profundas numa lei já existente (de 1977), o que não poderia ser feito em seis anos?

     Mais ainda: com pequenas oscilações no Senado, George W. Bush teve maioria de 2001 até boa parte do ano de 2007. Assim, os republicanos tiveram algo em torno de doze (12) anos para modificar uma lei. A partir de 2001 é possível argumentar que os ataques de 11 de setembro, a campanha no Afeganistão, a guerra no Iraque, possam ter desviado a atenção dos republicanos. Mas nos anos Clinton, as únicas grandes desculpas ou distrações levam o nome de Monica Lewinsky e impeachment (este, tampouco consumado).

     E há mais um agravante: o candidato republicano John McCain é senador republicano desde 1986 e ainda assim não foi capaz de (ou não quis) rebater Barack Hussein Obama, quando este, no debate do último dia 07/10, atribuiu a Bush toda a culpa pela crise. Hoje, no que diz respeito à crise financeira, McCain não parece ter outra coisa a propor a não ser mais intervenção e ajuda estatal.

     Quando Richard Nixon declarou, em 1972, que “agora somos todos keynesianos”, pode não ter dito uma coisa boa, mas bem pode ter dito uma triste verdade.  O que resta é a constatação de que os verdadeiros conservadores americanos estão, ou sempre estiveram, muito, muito longe do poder.

    

_________

 

Política da salvação *

Thomas Sowell


     Nada demonstra mais dolorosamente o que está errado com o Congresso do que a atual crise financeira. Dentre os “líderes” partidários convidados à Casa Branca para criar uma “solução” de salvamento estão as mesmas pessoas que têm, por anos a fio, criado os riscos que agora nos atormentam.

     Cinco anos atrás, Barney Frank apoiou a “racionalidade” de Fannie Mae e Freddie Mac[1], dizendo que “Eu não vejo” qualquer “possibilidade de perdas financeiras importantes para o Tesouro”. Além disso, ele disse que o governo federal tem “provavelmente feito muito pouco, em vez de excessivamente muito, para estimulá-los a alcançar os objetivos de moradias a preços razoáveis.”

     No início deste ano, o senador Christopher Dodd[2] elogiou Fannie Mae e Freddie Mac por “liderarem o resgate” quando outras instituições financeiras estavam reduzindo os empréstimos habitacionais. Ele disse também que elas “precisavam fazer mais” para ajudar os credores subprime a conseguirem melhores empréstimos.

     Em outras palavras, o deputado Frank e o senador Dodd queriam que o governo pressionasse as instituições financeiras a emprestarem às pessoas que elas, por si mesmas, não emprestariam pelo risco de inadimplência. A idéia de que políticos podem calcular riscos melhor que pessoas que passam suas vidas profissionais calculando riscos deveria ser tão obviamente absurda que ninguém deveria considerá-la seriamente. Mas as palavras mágicas “moradia a preço razoável” e a palavra horrorosa “redlining”[3] levaram os políticos a determinarem para onde os empréstimos deveriam ir, por meio de coisas tais como o Community Reinvestment Act (Lei do reinvestimento comunitário) e várias outras coerções e ameaças.

     As raízes desse problema são antigas de muitos anos. Mas, como a crise a que tudo levou aconteceu na presidência de George W. Bush, isso foi motivo suficiente para aqueles que pensam em termos de retórica, não desejando ser “confundidos pelos fatos”. Na realidade, o presidente Bush tentou sem sucesso, anos atrás, que o Congresso criasse alguma agência reguladora que supervisionasse Fannie Mae e Freddie Mac.

     N. Gregory Mankiw, presidente do Conselho de Consultores Econômicos de Bush, alertou, em fevereiro de 2004, que a esperança de uma ajuda financeira governamental de emergência em caso de crise criava “um incentivo para uma empresa se arriscar e desfrutar do respectivo aumento de crescimento.”

     Como investimentos de risco pagam usualmente mais do que investimentos mais seguros, o incentivo é para que empreendimentos apoiados pelo governo assumam maiores riscos, pois eles auferem maiores lucros se tudo der certo, e os contribuintes ficam com os prejuízos, caso isso não ocorra.

     O governo não é avalista de Fannie Mae e Freddie Mac, mas a suposição geral tem sido de que o governo interviria, com ajuda financeira, para prevenir o caos nos mercados financeiros.

Greenspan: alerta em 2004 para erros na condução da política de financiamento

     Alan Greenspan, então presidente do Federal Reserve System (o Banco Central americano), disse o mesmo em depoimento no Congresso em fevereiro de 2004. Ele disse: “O Federal Reserve está preocupado” que Fannie Mae e Freddie Mac estivessem usando essa esperança implícita no salvamento governamental numa emergência para assumir mais riscos, a fim de “multiplicar a lucratividade de débitos subsidiados”.

     O presidente Greenspan adicionou sua voz à daqueles que insistiam que o Congresso devia criar um “agente regulador com autoridade similar às agências reguladoras do sistema bancário” para reduzir os riscos de Fannie Mae e Freddie Mac, riscos estes que cairiam nas costas dos contribuintes.

     Fannie Mae e Freddie Mac não merecem ser salvos, mas nem os trabalhadores, as famílias e os empresários merecem ser colocados num caos econômicos por um colapso dos mercados de crédito, tal como ocorreu durante a Grande Depressão dos anos 1930.

     Tampouco os eleitores merecem ser decepcionados nas vésperas de uma eleição pela noção de que isso é uma falha dos mercados livres que deveriam ser substituídos por uma microgerência política.

     Se Fannie Mae e Freddie Mac fossem instituições do livre mercado, elas não conseguiriam manter suas práticas financeiras arriscadas, pois ninguém teria comprado seus certificados de crédito sem uma suposição implícita de que os políticos as salvariam.

     Teria sido melhor que tais empreendimentos com apoio governamental não tivessem sido criados e que os empréstimos habitacionais fossem deixados para o livre mercado. Essa operação de salvamento cria expectativas de futuras operações similares.

     A desativação progressiva de Fannie Mae e Freddie Mac faria muito mais sentido do que deixar os políticos brincarem com elas de novo, com o risco e as despesas sendo deixados para os contribuintes. 

     _________

     NOTAS:

 

    [1] Fannie Mae é o apelido da Federal National Mortgage Association (Associação Nacional de Hipotecas Federais) e Freddie Mac é o apelido da Federal Home Mortgage Corporation (Corporação Federal de Hipotecas). Essas empresas, criadas em 1968, são patrocinadas pelo governo e conhecidas como GSEs. Isso significa que elas são empresas privadas, mas protegidas financeiramente pelo governo federal. Essa proteção inclui acesso ao Tesouro Americano. (N. do T.)

    [2] Sobre esse senador é interessante ler, de Dennis Prager, Caro sen. Dodd: Educação não é uma resposta para todos os problemas. (N. do T.)

    [3] Recusar empréstimos habitacionais para áreas ou bairros considerados de alto risco. (N. do T.)

     _________

     Publicado por Townhall.com

     Tradução de Antônio Emílio Angueth de Araújo

     Publicado no site Mídia Sem Máscara - 7 outubro 2008

_________

 

Capitalismo de mentirinha *

João Luiz Mauad


“Government is not the solution to the problem. Government IS the problem.”

(Ronald Reagan)

     No decorrer de uma dessas crises recorrentes do capitalismo, durante os anos 80, o então presidente Reagan, instado a fazer o Estado salvar a economia do cataclismo que se anunciava pela mídia, formulou a famosa frase que até hoje reverbera no mundo liberal como uma das mais lúcidas e criativas tiradas do ex-presidente: “na crise atual, o governo não é a solução para os nossos problemas; o governo É o problema”. 

Ronald Reagan: o Estado é o problema, não a solução

     Se vivo fosse, provavelmente estaria dizendo hoje a mesma coisa. Embora as viúvas do comunismo insistam em maldizer o mercado e a ganância dos agentes econômicos pelas mazelas por que passa o setor financeiro mundial, e proclamem que é chegada a hora de o todo-poderoso Estado-babá colocar ordem na casa, a verdade é que os referidos problemas têm início, meio e fim nas ações (e regulamentações) equivocadas do Tio Sam, as quais disseminaram incentivos institucionais nocivos entre os agentes, que acabaram por desvirtuar, durante quase três décadas, a eficiente alocação dos recursos no mercado. 

     Como muito bem colocou o economista Lawrance H. White, “culpar a ganância dos agentes pelo problema é o mesmo que culpar a força da gravidade pela queda de um avião”. Tal qual a gravidade nos eventos de natureza física, a ganância estará quase sempre presente nas interações dos indivíduos no mercado. Se o problema estivesse na ganância, portanto, nem só o setor financeiro estaria atingido, mas o mercado como um todo. Aliás, de forma geral, as trocas no mercado seriam impossíveis se precisássemos afastar a ganância humana para que elas se realizassem. 

     Por outro lado, para qualquer analista sério, não resta dúvida de que a origem da atual crise está intimamente relacionada às “ações afirmativas” dos recentes governos norte-americanos, a começar pela paternidade desses dois monstrengos gêmeos – que respondem pela alcunha de Freddie Mac e Fannie May – cujo caráter peculiar de empresas privadas implicitamente patrocinadas pelo governo, aliado à demagogia dos políticos em querer tornar em realidade o sonho da casa própria a cada americano, tudo isso temperado por uma política monetária frouxa, acabou gerando a famigerada bolha imobiliária que acaba de estourar. 

     Em meu último artigo, contei a história das duas estrovengas híbridas, meio peixe, meio mulher, digo, meio públicas, meio privadas, e como elas se valeram de sua situação especial para tomar e emprestar dinheiro barato. O que eu não contei ainda foi que os políticos também apropriaram-se delas para colocar em ação suas políticas demagógicas e ações assistencialistas.  

     Tudo começou em 1977, quando o então governo socialista de Jimmy Carter criou o chamado Comunity Reinvestment Act, cujo propósito era obrigar os bancos a emprestar uma parte dos seus ativos às comunidades mais carentes. Em 1994, aquela legislação foi ampliada, e o governo explicitamente determinou que a dupla expandisse seus empréstimos a tomadores finais de baixa renda. Isso, logicamente, criou enormes incentivos para que os bancos emprestassem mais aos hipotecários chamados “sub-prime”, ou com capacidade de pagamento reduzida, já que, na retaguarda, Fannie e Freddie entrariam como uma espécie de “resseguradores” estatais, numa analogia com o mercado de seguros. 

     Enquanto isso, o Banco Central (FED) continuava com sua política de crédito frouxa, sempre na esperança de que pudesse adiar indefinidamente as tão odiadas recessões. (Só para que o leitor possa ter uma idéia de como essa paranóia anti-recessiva está impregnada na política daquele país, existe por lá uma lei – Humphrey-Hawkins – apelidada de “lei do Pleno Emprego”, que força o FED a manter as taxas de juros artificialmente baixas, olhando não só para a inflação e o poder de compra da moeda, como seria prudente, mas também para os índices de emprego e desemprego). 

     Com o dinheiro cada vez mais barato e disponível, os bancos continuavam a assumir riscos cada vez maiores. Para piorar as coisas, em 2005, após um escândalo contábil ocorrido na Freddie Mac, ambas as GSEs concordaram, como forma de penitência diante do congresso, em expandir ainda mais as suas operações junto às comunidades de baixa renda, de tal sorte que, entre 2004 a 2006, o percentual das chamadas operações “sub-prime” cresceu de 8 para 20% do total de hipotecas. E, mesmo diante de todas as evidências, ainda há gente hipócrita a gritar que a raiz do problema estava na ausência da mão peluda do Estado.  É preciso ser muito cara-de-pau! 

     Em resumo, os bancos assumiam cada vez mais riscos, mas tinham compradores garantidos para os seus títulos, nas pessoas de Freddie e Fannie, as quais estavam – em princípio supostamente, e agora efetivamente – lastreadas pelo governo (contribuinte). O leitor poderá dizer que os bancos agiram sem as devidas cautelas, além de movidos pela ganância de ganhar sempre mais – o que é absolutamente correto. Ocorre que eles estavam respondendo a incentivos criados por intervenções do governo, ainda que estas intervenções muitas vezes fossem bem intencionadas. 

     Pois bem: depois que a cobra fumou e a crise estabeleceu-se, os mais afoitos resolveram que o incendiário deveria, de uma hora para outra, transformar-se em bombeiro. E pior: o único instrumento de que dispõe o bombeiro/incendiário é justamente querosene.  Resumindo, pretende-se curar uma crise gerada por excesso de liquidez, injetando-se no mercado cada vez mais dinheiro. 

     No afã de defender o chamado “bailout”, seus patrocinadores não se fazem de rogados.  O mínimo que prevêem, caso o resgate dos títulos podres pelo governo não seja implementado, é o Armagedom. 

     Pois eu discordo do catastrofismo reinante no mercado.  Até onde a vista alcança, as condições hoje são completamente distintas das de 1929, a começar – e principalmente – pela liquidez do sistema. Note-se ainda que os bancos comerciais não estão tendo maiores problemas, como os bancos de investimento, e recentes dados divulgados lá nos EUA demonstram que as linhas de crédito comerciais estão fluindo e irrigando a chamada economia real sem maiores problemas.

      Agora, cá entre nós e que ninguém nos escute: é lógico que os profissionais, investidores ou operadores do mercado, seja porque estão entupidos de papeis podres ou sentados em cima de um monte de ações que não param de encolher, vão ficar alardeando o fim do mundo, pois querem salvar a própria pele ou lucrar um pouco mais. 

     Ao ler essas opiniões, de gente que tem todo interesse no resultado da questão, me fizeram lembrar das minhas peladas futebolísticas da infância, em que não havia juízes e quem marcava as faltas e decidia as regras eram os próprios jogadores. É óbvio, e não podia ser diferente, que cada um queria “puxar a brasa para a própria sardinha”. E nem poderia ser diferente.

     Vejam, por exemplo, o caso do famigerado Warren Buffet, oráculo do mercado financeiro mundial e de boa parte da chamada Grande Mídia:  acabou de comprar $ 5 bi em papeis do Goldman Sachs “na bacia da almas”. É previsível, e muito provável que, a curto prazo, as ações desse banco de investimento aumentem muito de preço, caso o pacote do governo venha a ser aprovado. O que faz então ele? Usa todo a sua influência, tanto junto ao Congresso quanto junto à mídia, para alardear uma crise sistêmica profunda, caso o congresso não aprove o plano de salvamento. E tome canelada pra todo lado.

      Já no meio acadêmico, no entanto, não há essa ânsia pela aprovação do plano, nem há consenso sobre supostas catástrofes, caso o plano não seja aprovado. É evidente que algum sofrimento imediato, principalmente no meio financeiro, vai ocorrer, mas daí a supor que acontecesse “o fim do mundo” ou que “a vaca fosse para o brejo” vai uma enorme diferença.

     Enfim, já me alonguei demais, especialmente porque, pelo menos de acordo com os últimos informes vindos de Washington D.C., parece que a associação perversa dos rent-seekers do mercado financeiro com os intervencionistas do Estado-Babá mais uma vez irá deixar os contribuintes com o abacaxi nas mãos e o pepino sabe-se lá onde… 

     E viva o capitalismo de mentirinha!

     

     * Publicado no site Mídia Sem Máscara - 6 outubro 2008

 

     _________

          

     

     

_________