www.sacralidade.com
www.sacralidade.com

MISTERIOSAS LIGAÇÕES ENTRE SOCIALISMO, SIONISMO, SATANISMO

 

André F. Falleiro Garcia

 

 

Marx & Satan - Richard Wurmbrand

     Laços incômodos e comprometedores para as esquerdas modernas ligam Karl Marx — filósofo e economista alemão, de origem judaica, fundador do chamado "socialismo científico" ou comunismo — com o satanismo. Como não interessa à esquerda a publicidade sobre essa ligação, ela minimiza este aspecto considerando-o como mera manifestação de linguagem literária de um período em que Marx ainda não tinha atingido seu píncaro intelectual. Não obstante, esta conexão existiu e marcou toda a sua vida. Nunca se retratou do pacto com o diabo. Construiu a mais perversa ideologia da História, responsável por mais de cem milhões de mortos até agora.

     As revelações de um pastor romeno, Richard Wurmbrand, foram divulgadas depois de cuidadosa pesquisa no livro que publicou em 1986, Marx and Satan. Muito antes destas revelações, o Papa Pio XII havia declarado que Marx era um "dedicado e consagrado satanista". Wurmbrand, nascido numa família judaica, primeiro tornou-se pastor anglicano, depois luterano. Não chegou a uma conclusão sobre se Marx desejava mesmo a implantação da sociedade socialista igualitária, ou se a usava como pretexto para o seu objetivo maior: uma sociedade da qual Deus estaria expulso. Em outras palavras: teria sido Marx animado pela mística da construção ou da destruição?

     Parece-me que Marx desejava de fato a construção de uma sociedade sem classes profundamente igualitária. O culto ao valor metafísico da igualdade levou-o aos arroubos satânicos: "Sou grande como Deus", afirmou. Essa postura igualitária em relação a Deus repetia de algum modo a revolta satânica de Lúcifer contra a autoridade divina. Em Marx a mística da construção da sociedade igualitária provinha de uma revolta interior muita profunda contra toda autoridade e toda superioridade.

     Para Marx chegar a "exterminar a religião e a política medieval", e desse modo realizar a destruição da Igreja e da civilização cristã, conforme a intenção declarada por seu guru Moses Hess, seria preciso apagar todos os traços de semelhanças divinas existentes na sociedade humana, em suas instituições e costumes. A dessacralização da sociedade impunha-se como exigência das comunidades socialistas igualitárias que não toleram a infinita superioridade divina nem as desigualdades harmônicas e proporcionadas que se estabelecem nas sociedades sacrais.

     O objetivo maior de Marx, a meu ver, era duplo:

     — a destruição da sociedade hierárquica, desigual e sacral;

     — a construção da sociedade igualitária e dessacralizada, na qual todos os vestígios ou semelhanças divinas seriam banidos sob o pretexto de constituir o "ópio do povo".

     Bakunin, companheiro socialista tão satanista quanto Marx, priorizava a destruição do Estado e a anarquia: "Nossa missão é destruir, não edificar. A paixão da destruição é uma paixão criativa". Desse diabólico ânimo destrutivo também Marx deu mostras: em março de 1850 redigiu, junto com Engels, um documento intitulado "Plano de ação contra a democracia", no qual esboçou um programa revolucionário de terrorismo, incitou ao assassinato dos reis, à destruição dos monumentos públicos, e propôs uma aliança entre o proletariado e a pequena burguesia (que desejava ver depois eliminada pelo proletariado).

     Não causa surpresa que seu amigo Friedrich Engels tenha elogiado sua sanha destruidora no discurso fúnebre: "Marx era, antes de tudo, um revolucionário. Sua verdadeira missão na vida era contribuir, de um modo ou de outro, para a derrubada da sociedade capitalista e das instituições estatais por esta suscitadas, contribuir para a libertação do proletariado moderno, que ele foi o primeiro a tornar consciente de sua posição e de suas necessidades, consciente das condições de sua emancipação. A luta era seu elemento. E ele lutou com uma tenacidade e um sucesso com quem poucos puderam rivalizar."[1]

Moses Hess - Pai do Sionismo Socialista
Moses Hess

     Ligação misteriosa foi a que se estabeleceu entre Marx e seu mestre, o escritor judeu Moses Hess, considerado Pai do Sionismo Socialista. Na cosmovisão e na mentalidade de Moses Hess há uma curiosa superposição e permeação de camadas ideológicas — a tríade socialismo, sionismo, satanismo. Ao mesmo tempo, Moses foi um dos fundadores do socialismo e mentor de Marx e Engels; arvorou o ideal do sionismo sendo o seu precursor, antes mesmo de Theodor Herzl; ademais, iniciou no satanismo os seus dois discípulos. Moses publicou em 1862 o livro Roma e Jerusalém (Rome and Jerusalem. The Last National Question). Nele Moses Hess preconizou a criação e estabelecimento da nação judaica na Palestina, onde os judeus teriam um estilo de vida agrário socialista e passariam por um processo de "redenção pela terra".

     Hess morreu em Paris em 1875, seu corpo foi trasladado para o cemitério judaico de Colônia, e em 1961 transferido para o cemitério do kibbutz de Kinneret em Israel. A ala esquerda da ideologia sionista [2] quis que Moses Hess repousasse nas comunidades agrárias socialistas por ele sonhadas. Todavia, o mistério subsiste: como explicar que o fundador do sionismo socialista tenha sido satanista? Como se harmonizaram em sua mente o sionismo socialista com o satanismo? Não pode ter sido o auxílio do Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó que ele invocou para a consecução de seu sonho.

     _________

    [1] Karl Marx's Funeral.

          

    [2] O historiador americano de origem judaica Norman Finkelstein no livro Imagem e Realidade no Conflito Israel-Palestina dividiu o sionismo em três vertentes: sionismo socialista ou trabalhista, sionismo político, e sionismo cultural. Sem embargo, duas outras categorias, pombos e falcões, podem ser sobrepostas às de Finkelstein, como claves de interpretação da crise árabe-israelense, conforme artigo publicado neste site: Oriente Médio: falcões e pombos em perspectiva.

    

     _________

     Matérias de interesse sobre o neocomunismo:

     A anti-igreja comunista, verdadeira seita

     A gnose petista

     Socialismo: cavalo de tróia a serviço do comunismo

     Variações cromáticas do socialismo e do comunismo

     A marcha do caos factual

     O surgimento do Império Neocomunista

 

MARX E SATÃ *

 

Ipojuca Pontes * *    

 

Richard Wurmbrand

Richard Wurmbrand (1909-2001) desvelou a faceta satanista de Karl Marx que os intelectuais comprometidos se apressam em minimizar.

     Livro impressionante, a merecer urgente atenção de um bom editor nacional é, sem sombra de dúvida, este Marx and Satan, do reverendo Richard Wurmbrand (Living Book Company, Bartlesville, USA, 1986). A edição que leio, a oitava, data de 2002, porém em 2008 o livro já cruzara a 20ª impressão e fora traduzido para o russo, chinês, alemão, romeno, eslovaco, húngaro e albanês — não por acaso, línguas de países que constituíam a antiga Cortina de Ferro e materializavam, na prática, as teorias demoníacas de Karl Marx.

     No histórico, o livro de Wurmbrand começou como uma pequena brochura que continha algumas anotações sobre as possíveis ligações entre Marx e a igreja satânica. Posteriormente, o autor, durante 14 anos prisioneiro nos campos de concentrações da Romênia comunista, levantou uma quantidade enorme de documentos e correspondências e aprofundou pesquisa biográfica minuciosa em torno do “filódoxo” alemão, mormente no período em que este freqüentou a Universidade de Berlim — sem deixar de lado, no entanto, a temporada em que viveu na próspera cidade de Colônia (1842), onde trabalhou como co-editor da Gazeta Renana — fase em que Marx, negando Deus, “tornou-se um adorador de Satã e partícipe ativo e regular de práticas e hábitos ocultistas”.

     De fato, nesta época, conforme registra Wurmbrand com riqueza de detalhes, Marx mudou inteiramente de conduta. Longe da casa paterna, ao repudiar Cristo ele  tornou-se um beberrão violento. (Habitualmente,  quando embriagado, para não pagar os credores, partia para a briga — sendo autuado, certa feita, por porte de arma). Então, na qualidade de co-presidente do “Clube Tabernário”, que tinha como associados um bando de estudantes porristas, Marx organizava rituais de magia negra, professando a idéia de “chutar Deus do Reino Celestial”. Por qualquer razão, ou sem razão nenhuma, voltava-se para o alto e proclamava, em ira incontida: “Eu o destruirei! Eu o destruirei!”.

     O próprio pai de Marx, Heinrich (um advogado judeu convertido ao cristianismo luterano), na ocasião, ao saber que o filho tinha “colocado novos deuses em lugar dos antigos santos” (confissão de Marx), tentou chamar sua atenção, por carta, lamentando o estranho comportamento do jovem radical: “O teu progresso, a querida esperança de ver teu nome algum dia ter grande reputação, e tua riqueza terrena não são os únicos desejos de meu coração. Essas são ilusões que tive há muito tempo, mas posso assegurar-te que a realização delas não me teria feito feliz. Apenas se teu coração permanecer puro e bater humanamente e se nenhum demônio for capaz de desviar teu coração de sentimentos melhores, apenas assim serei feliz”.

     Ao lamento da carta paterna, Marx deu o calado como resposta, cortando a correspondência com o pai, salvo no caso de bilhetes curtos para pedir crescentes somas em dinheiro para saldar dívidas provenientes dos porres homéricos e gastos com os rituais ocultistas.

     Na mesma época, Marx ficou obcecado pela leitura do “Fausto”, a peça teatral de Goethe em que o personagem central faz um pacto com a figura de Mefistófeles, o “diabo em pessoa”. Num impulso, o futuro “Doutor do Terror Vermelho”, para tornar pública a sua nova crença, escreve um drama intitulado “Ulanem” — anagrama de Emanuel, nome bíblico de Cristo —, tempos depois encenado e representado pelo próprio autor.

     No texto, medíocre, mas considerado de natureza confessional, Marx revela o objetivo que marcará todos os atos de sua atribulada existência, qual seja, “a idéia de expulsar o Criador de sua morada e, ele próprio, Karl Marx, substituí-lo”. No último ato de “Ulanem”, em tom apocalíptico, assim se exprime o imperioso cultor de Satã: “Os vapores do inferno enchem o cérebro, até que fico louco e meu coração muda muito. Vês esta espada? O Príncipe das Trevas ma vendeu. Para mim, ele marca o compasso e ordena os sinais. Cada vez mais atrevido, eu danço a dança da morte. E só então poderei caminhar triunfante, como um Deus, através das ruínas do seu Reino”.

     Dado curioso, a mudança de Marx não se deu apenas no plano espiritual. Segundo anota Karl Heinzen, jornalista que trabalhou com ele na Gazeta Renana, a transformação se manifestou, também, no aspecto seu físico. “De jovem esbelto, ele se transformou num tipo atarracado, de lábio inferior incomumente grosso e de tez amarelo-sujo, acentuada pelos cabelos negros e espessos que pareciam brotar-lhe de quase todos os poros da face, dos braços, da orelha e do nariz. Cabeludo, com sua juba negra retinta e olhos enlouquecidos por um espírito de fogo perverso, Marx era a imagem de Lúcifer, o anjo decaído”.

     O mesmo Heinzen relata que, certa noite, depois de um porre, querendo parodiar Mefistófeles numa cena do “Fausto”, Marx “Aproximou-se e deu a entender que eu estava sob seu poder. Com malícia de pretendido demônio, começou a me agredir com ameaças e tapas. Adverti-o a sério que o trataria do mesmo modo. Como nada adiantasse, derrubei-o com um sopapo num canto da sala. ‘Há um prisioneiro lá dentro...’ — caçoou ele, numa imitação precária de Mefistófeles”. 

     Mais tarde, consolidada a personalidade demoníaca, Marx observa, em correspondência para Engels (segundo Franz Mehring, em “Marx — Story of His Life”): “A abolição da religião como uma felicidade ilusória dos homens é um requisito para a verdadeira alegria deles. O chamado para o abandono de suas ilusões acerca de suas condições é um chamado para abandonar uma condição que requer ilusões. A crítica da religião é, portanto, a crítica deste vale de lágrimas de que a religião é o halo”.

     Marx se deu mal na sua pretensão de abolir a religião sobre a face da terra. A crença na existência de uma força transcendente, considerada como criadora do Universo, nunca esteve tão presente na vida da humanidade — em que pese a ingerência do “neodarwinismo” e a “singularidade” de teorias impossíveis de comprovar como a do Big Bang.

     O Cristianismo, por sua vez, infenso a fricção da excomungada “Teologia da Libertação”, nitidamente anticristã, cada vez mais se propaga em número de fiéis, a fortalecer a crença no Cristo filho de Deus.

     Quanto à Marx, reconheça-se, o seu espírito maligno permanece atuante — como o do próprio Satã, de resto — a iludir facções de deserdados que, sob seus vapores, alargam as dores do mundo.

     _________

 

     * Artigo publicado no site midiaamais.org em 0603/2009.

     * * Ipojuca Pontes é cineasta, jornalista, escritor, palestrante e ex-Secretário Nacional da Cultura.

     

O SATANISMO NA VIDA E OBRA

DE KARL MARX *

 

Antonio Ribeiro de Almeida * *

 

Antonio Ribeiro de Almeida
Almeida: na vida particular Marx revelou comportamentos que um Nelson Rodrigues qualificaria como de um “perfeito canalha”

     O livro de Richard Wumbrand, Marx & Satan (Diana Books Publishing, 1976) traz revelações sobre a vida e a obra de Karl Marx (1818-1883) que são desconhecidas pela grande maioria dos leitores. Estas revelações mostram claramente que seu pensamento foi inspirado por um ódio radical contra a religião judaico-cristã (o Cristianismo) e contra Deus. Tudo isto é mostrado na vida do criador do Comunismo e nas suas ligações com os seus mestres. Muito antes destas revelações de Wumbrand — um judeu rumeno — o Papa Pio XII havia declarado que Marx era um “dedicado e consagrado satanista".

     O satanismo tem várias conceituações como se pode concluir numa rápida pesquisa sobre o tema. Marx, pelo que se sabe, não participava de missas negras e invocações a Satã, e seu trabalho de demolição do Cristianismo se faz na sua obra e nas poesias que escreveu. Numa carta que enviou ao pai escreveu : “Uma cortina caiu. Meu santo dos santos foi partido ao meio. Sou grande como Deus; envolvo-me em trevas como Ele. Perdi o céu, disto estou certo, minha alma, antes fiel a Deus, está marcada para o Inferno.

     A história registra que foi Moses Hess, um conhecido satanista, quem trouxe Marx para uma sociedade secreta, a “Liga do Justo” quando o instruiu nas ideologias coletivistas. Em 1841 Hess escreveu a respeito do seu pupilo : “Dr. Marx é ainda muito jovem, mas é ele que exterminará a religião medieval.“ Esta liga, com a adesão de Marx, foi transformada na “Liga dos Comunistas”, mas foi para a Liga do Justo que ele escreveu o famoso Manifesto Comunista que apareceu no início de 1848.

     Bukharin, um dos colaboradores de Marx na Primeira Internacional, era também um fervoroso satanista e escreveu: “Satã é o primeiro pensador livre. Ele livrou Adão e imprimiu nele o selo da liberdade ao levá-lo à desobediência.“ Alguns intelectuais consideram trechos como este e outros semelhantes apenas como uma forma de expressão e fazem uma aproximação de Satã com o Prometeu da mitologia grega que trouxe o fogo do céu para o homem. Para Wurmbrand é discutível se Marx desejava mesmo uma sociedade mais justa e sem classe, ou se ele usou isto como um pretexto para o seu objetivo maior: uma sociedade onde não haveria lugar para Deus.

     Na vida particular o pai do comunismo revelou comportamentos que um Nelson Rodrigues qualificaria de um “perfeito canalha”. Nas cartas a Engels a sua preocupação principal era com dinheiro (Engles o sustentava); com as heranças que parentes ricos poderiam deixar e de um tio a quem chama de “cão velho” cuja morte celebra. Engels relata a sua frieza ao receber a notícia da morte da mãe: "Chegou um telegrama há duas horas dizendo que minha mãe morreu. O destino precisou levar um membro da família....pelas circunstâncias sou mais necessário que a velha mulher. Preciso ir a Trier para ver a herança."

     A esposa de Marx o deixou duas vezes, pois ele engravidara a empregada de quem teve um filho, e três dos seus filhos legítimos morreram de desnutrição, e um deles devido ao descuido do pai. Marx disse à família que o filho era de Engels, que, por sua vez, no seu leito de morte contou a verdade a uma das filhas de Marx. Nos seus livros, segundo pesquisadores de Cambridge, falseou citações de Adam Smith e de W.E. Gladstone para fundamentar sua doutrina.

     Se o Comunismo resultou num tremendo fracasso na União Soviética e até na China, que mudou a doutrina de Marx, ele, do meu ponto de vista, conquistou uma certa intelligentsia nas universidades do mundo ocidental, na América Latina e no mundo árabe que hostilizam o Cristianismo e seguem o que pregava Mikahil Bakunin: “O Supremo Mal é a revolta satânica contra a autoridade divina, e na nossa revolução deveremos acordar o Diabo nas pessoas, estimular nelas as paixões mais vis..." Não é isto que está acontecendo em nosso país ?

     _________

 

     * Artigo publicado no site Ratio Pro Libertas em 29/09/2009.

     * * Antonio Ribeiro de Almeida é Doutor em Psicologia Social pela USP, professor aposentado da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, com pós-doutoramento nos EUA.

   

 

ERA MARX SATANISTA? ***

 

Norma Braga

 

Karl Marx satanista
O satanista Karl Marx em 1866

     As duas histórias de Karl Marx — a de sua vida e a de suas idéias — são reveladoras do quanto marxismo e demonismo se entralaçam inequivocamente.

     Segundo Richard Wurmbrand, autor de Marx & Satan (Era Karl Marx um satanista?), Karl Marx não visava em primeiro lugar a tão propalada igualdade comunista, mas sim a destituição de Deus de seu lugar na sociedade e no coração das pessoas. A julgar por uma das mais eficientes devastações que o comunismo empreendeu onde quer que fosse implantado — a da fé (conforme as histórias da Rússia, da Coréia do Norte, da Albânia, da China, de Cuba etc.) —, isso não parece tão longe da verdade. De fato, todas as expressões concretas do comunismo, além de não cumprirem com o que prometiam, combateram a religiosidade de modo tão eficaz que engendraram um povo descrente ou alienado da transcendência divina, além de uma cruel perseguição aos fiéis remanescentes.

     Porém, não apenas os resultados diretos da implantação de regimes comunistas atestam a centralidade do combate à fé. Muitos aspectos da vida de Marx demonstram uma consciente intenção de opor-se a Deus e uma direta influência demoníaca, desde sua juventude. O que impulsionou Marx para o comunismo não foi uma inclinação altruísta, conforme reza a lenda. É o que explica Wurmbrand: "Não há evidências para a crença de que Marx mantinha nobres ideais com relação à humanidade e teria adotado uma postura anti-religiosa por ter visto a religião como obstáculo a esses ideais. Do contrário, Marx odiava qualquer noção de Deus ou deuses e estava determinado a ser o homem que ia tirar Deus do cenário — tudo isso antes de abraçar o socialismo, que seria apenas a isca para que proletários e intelectuais adotassem para si esse intento demoníaco." Uma das evidências disso é que o primeiro mestre comunista de Marx, Moses Hess, era também satanista.

     Um de seus biógrafos, Robert Payne, endossa as afirmações de Wurmbrand ao mencionar um conto infantil inventado por Marx, relatado por sua filha Eleanor: a história interminável de Röckle, um mago infeliz que vendia relutantemente seus brinquedos ao diabo por ter feito um pacto com ele.  Diz Payne: "Sem dúvida essas historietas sem fim eram autobiográficas. Marx tinha a visão do Diabo sobre o mundo, e a mesma malignidade. Às vezes parecia saber que cumpria tarefas do mal."

     Impressiona o fato de não se achar em suas cartas a Engels expressões do desejo de justiça social, mas sim preocupações com dinheiro (Engels o sustentava) e com heranças vindouras, acompanhadas de linguagem obscena e maldosas referências à morte iminente de parentes ricos — um tio que ele chama de "cão velho", por exemplo, cujo falecimento é finalmente celebrado pelos dois correspondentes. A mesma frieza é percebida no modo sucinto como relata a Engels a morte da mãe: "Chegou um telegrama há duas horas dizendo que minha mãe morreu. O Destino precisou levar um membro da família. Eu mesmo estou com um pé no túmulo. Pelas circunstâncias, sou mais necessário que a velha mulher. Preciso ir a Trier para ver a herança." É de se notar especialmente esse tom de quem se refere a uma instância superior de decisão — não Deus, mas o Destino — atribuindo-lhe ares de sabedoria cósmica ("sou mais necessário").

     Quando novo, suas cartas ao pai já atestavam que, embora tivesse recebido educação cristã, afastara-se resolutamente da fé. Escreveu: "Uma cortina caiu. Meu santo dos santos foi partido ao meio e novos deuses tiveram de ser instalados ali." Enviou-lhe como presente de aniversário poemas de teor bastante anti-religioso:

     Por ter descoberto o altíssimo
     E por ter encontrado maiores profundezas através da meditação
     Sou grande como Deus; envolvo-me em trevas como Ele
     Perdi o céu, disto estou certo
     Minha alma, antes fiel a Deus,
     Está marcada para o inferno.

     Seu companheiro Mikhail Bakunin, com quem criou a primeira Internacional Comunista, escreveu loas a Satanás de modo flagrante, vinculando-o estreitamente aos objetivos comunistas: "O Supremo Mal é a revolta satânica contra a autoridade divina, revolta em que podemos ver o germe fecundo de todas as emancipações humanas, da revolução." "Socialistas se reconhecem pelas palavras. No nome daquele a quem um grande erro foi feito." "Satanás o rebelde eterno, o primeiro livre-pensador e o emancipador de mundos. Ele faz com que o homem se sinta envergonhado de sua bestial ignorância e de sua obediência; ele o emancipa, estampa em sua fronte o selo da liberdade e da humanidade, instando-o a desobedecer e comer o fruto do conhecimento." "Nessa revolução deveremos acordar o Diabo nas pessoas, estimular nelas as paixões mais vis. Nossa missão é destruir, não edificar. A paixão da destruição é uma paixão criativa ."

     A vida de Marx é recheada de comportamentos inadmissíveis e acontecimentos trágicos, assim como ocorre com todos os que se envolvem de perto com o demônio. Vivia às custas de Engels e da herança de parentes, embora pudesse se sustentar com seu conhecimento de línguas e a formação especializada, um doutorado em filosofia.

     Sua esposa abandonou-o duas vezes, voltando sempre, e ele sequer compareceu a seu funeral. Três de seus filhos pequenos morreram de desnutrição, sendo que pelo menos um deles, segundo a própria esposa de Marx, foi vítima dos descuidos do marido com relação ao sustento da família. Tivera ainda um filho com a empregada, negado e tratado como se fosse de Engels — que revelou o engodo em seu leito de morte a uma das filhas de Marx, com a preocupação de que ela não endeusasse o pai. Tinha, com essa, três filhas, que morreram novas: duas delas, do cumprimento de pactos de suicídio com os maridos (um deles se arrependeu e não cumpriu o ato).

     Os livros que escreveu, além de trazer uma linguagem vociferante de ódio, vinham recheados de dados inventados e citações falsas de autores como W.E. Gladstone e Adam Smith — distorções consideradas intencionais por pesquisadores de Cambridge, não fruto de displicência. Era dado a bebedeiras e irascível muito além do limite da tolerância: perdia amizades facilmente. Pessoas de sua convivência lhe atribuíram diversas vezes o epíteto "ditador" e um coração rancoroso.

     O próprio Bakunin no final declara: "Marx não acredita em Deus mas acredita bastante em si mesmo e faz todo mundo o servir. Seu coração não é cheio de amor, mas de rancor, e ele tem muito pouca simpatia pela raça humana." Fiel ao sábio princípio de não separar o pensamento do autor de sua biografia, Paul Johnson comenta de modo dramático as conseqüências da herança marxista na Rússia e na China: "No devido tempo, Lênin, Stálin e Mao Tsé-Tung puseram em prática, numa imensa escala, a violência que Marx trazia em seu íntimo e que transpira em sua obra."

     Escrevo sobre Marx e já me vem à mente a história de Stálin contada por sua filha, Svetlana Alliuyeva. Em Vinte Cartas a um Amigo, ela realiza uma crescente e emocionada catarse ao falar de sua infância e juventude. Presenciou o devastamento de seus entes queridos, alvo das desconfianças obsessivas do pai. Quando não eram assassinados por supostas traições ao regime — parentes próximos, como seus tios, e também amigos íntimos da família —, sucumbiam a gigantescas pressões de morte, seja progressiva (seu irmão alcoólatra) ou imediata (o suicídio de sua mãe aos 30 anos). Na última carta, uma frase sua em especial assusta pela desolação com que constata: "Em torno de meu pai havia uma espécie de círculo negro — todos os que caíam em seu interior pereciam, destruíam-se, desapareciam da vida…" Examinando-se de perto a vida de Karl Marx e o posterior desenvolvimento do marxismo, tem-se a impressão de que o mesmo poderia ser dito dele, sem temor algum de exageros.

     Intuindo o quanto a Rússia adotaria seus princípios, pouco antes de morrer Marx manifestava orgulho especial pela recepção de suas obras no país. Décadas mais tarde, o impressionante  slogan soviético "Banir os capitalistas da terra e expulsar Deus do céu" não só confirmaria essa intuição, mas, principalmente, tornaria flagrante a missão do projeto marxista desde estados embrionários: destruir a fé em Deus. Em países como o Brasil, essa anti-religiosidade tem sido amenizada para passar a falsa impressão de um comunismo mais conforme à necessidade humana de transcendência, algo indissociável de nossa cultura. No entanto, as duas histórias de Karl Marx — a de sua vida e a de suas idéias — são reveladoras do quanto marxismo e demonismo se entralaçam inequivocamente. É estudar para saber.

     _________

     Fontes:

     Alliyueva, Svetlana. Vinte cartas a um amigo: as memórias da filha de Stálin . Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1967.

     Johnson, Paul. Os intelectuais. Rio de Janeiro, Imago, 1988, capítulo 3, p. 64 a 94.

     Wurmbrand, Richard. Marx & Satan. Living Sacrifice Book Co, 1986, capítulo 2, p. 20 a 35.

     _________

   

     * * * Publicado no site Midia Sem Máscara em 01/07/2006.

 

     _________